Simpósio aconteceu nesta sexta e sábado!

53

Coronariopatias são doenças que mais matam brasileiros

Organizado pela Liga Acadêmica de Cirurgia Cardiovascular da Faculdade de Medicina (Famepp) da Unoeste, aconteceu nesta sexta e sábado (08) e (09) na Casa do Médico o 2º Simpósio de Cirurgia Cardiovascular de Presidente Prudente. Com o tema “Coronariopatias”, o encontro permitiu abordar conceitos como fisiopatologia, diagnóstico, prognóstico e tratamento, reunindo grandes médicos especialistas de renome nacional.
Para a abertura, esteve presente o Frei Tarcísio Marchini, diretor administrativo do Hospital Regional; o docente e chefe do Departamento de Cirurgia Cardiovascular do HR, Dr. Rômulo César Bonini, e a docente Cláudia Alves Alessi. A ocasião também contou com apresentação do grupo musical da Apae.

Na sexta, os temas propostos foram “Diagnóstico por imagem das coronariopatias: Presidente Prudente e grandes centros”, com Dr. Maurício Fregonesi Barbosa; “Manejo clínico das coronariopatias nos grandes centros”, com Dr. Pedro Silvio Farsky; e “O tratamento cirúrgico atual das coronariopatias”, com Dra. Magaly Arrais dos Santos.

Já no sábado, os doutores retornaram para a sequência do simpósio ao lado do médico Dr. Antônio Bongiovani, para a mesa redonda “O Manejo das coronariopatias nos mais recentes Trials”.

A cirurgiã Dra. Magaly Arrais destacou a evolução do tratamento da doença arterial coronária, sendo uma das principais causas de morte no Brasil, sobretudo, em mulheres e jovens. Conforme, o primeiro tratamento realizado foi pelo médico argentino René Favaloro, que desenvolveu a técnica ponte de safena. “Ao longo dos anos, a medicina evoluiu muito com a chegada dos enxertos arteriais e procedimentos minimamente invasivos e híbridos. A robótica está chegando lentamente no Brasil devido seu alto custo”, destacou.

Conforme Dr. Pedro Farsky, os fatores de risco são hipertensão, colesterol elevado, diabetes, tabagismo, sedentarismo e obesidade. O enfoque da aula foi tratar sobre os benefícios, redução de mortalidade e novos estudos voltados para o tratamento clínico. “O tratamento clínico tem se desenvolvido muito nos últimos anos e reduzido muito as taxas de mortalidade, já que cada medicamento é introduzido um benefício adicional e revolucionado o tratamento da doença coronária”, pontuou.

Coronariopatias
De acordo com a OMS (Ministério da Saúde) revelou no final de que mais de 340 mil mortes por ano estão relacionadas a doenças do aparelho circulatório, incluindo doenças isquêmicas, cerebrovasculares, infarto agudo do miocárdio e hipertensivas. A doença arterial coronariana é causada pelo acúmulo de gordura, cujos depósitos são formados por colesterol, cálcio e outras substâncias no sangue.

Hospital Regional
De acordo com o Frei Tarcísio Marchini, em termos de fila de espera, o grande problema no município é a falta de qualificação antes de chegar no Hospital Regional. “Depois que a triagem chega no ambulatório do HR, a fila é qualificada, cujos atendimentos têm fluído bem dentro do hospital para todas as especialidades”, informou.

Assessora de Imprensa / Francinara Nepomuceno

Comentários