Sarau das Pretas propõe reflexões sobre a mulher e a cultura em Presidente Prudente

339

Atração será realizada nesta quinta-feira (27), no Sesc Thermas, a partir das 20h30. Encontro é conduzido por jovens escritoras negras atuantes nas periferias da cidade de São Paulo (SP).

Um encontro para refletir sobre a mulher, a cultura e a ancestralidade. Esse é o intuito do Sarau das Pretas, que será realizado no Sesc Thermas de Presidente Prudente nesta quinta-feira (27), a partir das 20h30. A atração é gratuita.

Por meio da palavra falada, cantada, declamada, dos tambores e de seus corpos em constante movimento, jovens mulheres negras atuantes no cenário cultural periférico de São Paulo (SP) compartilham suas reflexões e convidam o público a interagir nas discussões.

Diante do cenário de empoderamento feminino pela garantia dos direitos das mulheres, as jovens escritoras negras atuantes nas periferias da cidade de São Paulo têm revelado por meio da literatura, de seus tambores e de seus corpos, as realidades de viver o feminino e o feminismo.

O Sarau das Pretas não é um sarau territorial e constrói sua trajetória propondo encontros nos quais a escuta é o ponto central, partilhando a palavra e a ancestralidade. A organização do sarau entende que não delimitar um único espaço estimula outras mulheres negras a ocuparem todos locais.

Por isto, já foram realizadas edições em centros culturais, unidades do Sesc, espaços congêneres, dentro e fora das periferias, tudo com forma de criar, fortalecer e ampliar os espaços de fala e audição das mulheres negras do país. Pautando o protagonismo da mulher negra como um ato cultural e político, o sarau reúne um público disposto a vivenciar e compartilhar reflexões que essas mulheres expressam através de sua arte.

Sarau das Pretas será realizado em Presidente Prudente — Foto: Divulgação

As integrantes

Além de ser idealizadora e produtora do Sarau das Pretas, a poetisa e produtora cultural Débora Garcia também atua junto aos coletivos Quilombhoje Literatura e Associação Cultural Literatura no Brasil, onde desenvolve saraus e projetos de incentivo à leitura e à escrita. Além de ministrar palestras sobre literatura, políticas culturais e questões de gêneros, é autora do livro Coroações – Aurora de Poemas, publicado em 2014, de forma independente.

Poeta residente do Sarau das Pretas, Elizandra Souza é escritora e jornalista. Fundadora do Coletivo Mjiba – Jovem Mulher Revolucionária, é autora do livro de poesias Águas da Cabaça (2012) e trabalha como ativista cultural, com ênfase na difusão da literatura negra e feminina nas periferias de São Paulo (SP).

Autora do livro Em Reticências (2016), a escritora Thata Alves é precursora do Sarau da Ponte Pra Cá, onde atua na organização e produção do encontro mensal, que há quase três anos recebe inúmeros poetas e artistas de diferentes locais para se apresentarem.

Taissol Ziggy é a caçula do Sarau das Pretas. Percussionista e produtora musical do coletivo, desde criança estuda tambores e toques de tambú, caxambú e candongueiro. Em seu trabalho, destaca-se o compromisso com as tradições culturais de origem africana, as quais vêm sendo preservadas por sua família há quatro gerações.

Criadora do Sarau das Pretas Peri, Jô Freitas é poeta e atriz. Seu trabalho fala essencialmente da mulher, negra, nordestina e periférica, com o último Mulheres em Travessia realizado em um povoado chamado Pucusana, em Lima, no Peru, composto de poemas para histórias de mulheres migrantes.

G1 PRUDENTE

Comentários