O que nos difere dos animais é a pulsão

281

A psicanalista e docente da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Rosilene Caramalac esteve em Pres. Prudente no último sábado (21) para falar sobre os paradoxos da Pulsão na perspectiva de Freud e Lacan.

Convidada pelas gestoras da clínica Motiva, Cristiane Mezas e Rosangela Zamineli, Rosilene fez uma abordagem freudiana e lacaniana. Num primeiro momento, a docente partiu de um pressuposto entre a diferença fundamental dos dois campos do conhecimento: a psicologia e a psicanálise, onde a primeira fala da identidade, comportamento, consciência e indivíduo; enquanto a segunda estuda o inconsciente e sujeito.

Num retorno à Freud, Jacques Lacan trouxe no Seminário 11 quatro conceitos: repetição, transferência, inconsciente e pulsão, havendo profunda ligação nessas duas últimas. Lacan foi o primeiro a chamar a atenção para a pulsão, conceito nuclear da teoria freudiana da sexualidade.

“A sexualidade humana não tem nada a ver com a reprodução, e nós nos atrapalhamos nesse encontro afetivo”,

explicou Rosilene.

A condição do inconsciente é a linguagem, e a condição da linguagem é a pulsão. “Somos seres desregulados, pois não comemos quando temos fome, não dormimos quando temos sono, e por aí vai… totalmente oposto dos animais, que agem literalmente pelo instinto. E a pulsão sempre busca a satisfação, porém algo a impede, um recalcamento, uma energia contrária”, ressaltou.

Por Francinara Nepomuceno / Assessora de Imprensa

Comentários

- PROPAGANDA -